Menu


Pará recebe investimentos de R$ 1,2 bilhão

25 ABR 2017
25 de Abril de 2017

O Governo Federal promoveu leilão de transmissão de energia elétrica e 5 lotes foram destinados ao Pará. Recursos serão usados para expandir sistema, melhorar fornecimento e impedir apagões

Os linhões beneficiarão todo o Estado, a partir do compromisso do ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, e do ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho foto: MARCELO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL

O Estado do Pará vai receber investimentos de mais de R$ 1,2 bilhão em linhas de transmissão de energia. O leilão de transmissão nº 5/2016, promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), foi realizado ontem, em São Paulo. Foram oferecidos 35 lotes. Os 5 lotes ofertados com empreendimentos no Pará foram todos arrematados e resultarão em mais desenvolvimento econômico para o Estado e novas oportunidades para a população paraense.

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, destacou o sucesso do leilão das linhas de transmissão, que representam investimentos superiores a R$ 12 bilhões em 20 Estados brasileiros. Para o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, os investimentos em energia resolverão problemas de apagões e permitirão a implantação de plantas industriais no Estado. “Eu gostaria de festejar com a população do Pará, de uma maneira muito especial a região oeste do Estado, da Transamazônica, da região do Xingu, como também da região do Baixo Amazonas e da Calha Norte, a respeito dos leilões”, comemorou.

“São investimentos na área da energia que, nos próximos 60 meses, vão garantir que o Pará tenha oferta de energia resolvendo problemas de apagões, sendo utilizada para o consumo doméstico e também para reforçar toda a cadeia produtiva da região”. O primeiro dos lotes arrematados no leilão com empreendimentos no Pará foi o de número 26. Venceu o certame a Energisa S.A., que ofereceu R$ 46,3 milhões. Esse lote possui 592Km de linhas de transmissão e 300 MVA de potência de uma subestação. As obras visam reforço para o suprimento à região de Santana do Araguaia. A Energisa terá de fazer investimentos de R$ 329,7 milhões.

REGIÕES

O segundo lote foi o de número 31, arrematado pela Equatorial Energia S.A. A empresa deu um lance de R$ 126,8 milhões. São 436Km de linhas de transmissão e uma subestação de 300 MVA de potência localizadas no Pará. Esse lote visa atendimento à região oeste do Estado e aumento da confiabilidade do sistema (ver box). A Equatorial precisará fazer investimentos de R$ 671,2 milhões nessas linhas.

Outro lote ofertado foi o 33, vencido pelo Consórcio Pará. O grupo arrematou o lote oferecendo R$ 20,5 milhões. O lote 33 possui uma linha de transmissão com 126Km e uma subestação de 200 MVA de potência localizadas no Pará. Os empreendimentos visam atendimento às cargas das regiões metropolitana de Belém e nordeste do Pará. Essas linhas de transmissão necessitarão de investimentos de R$ 120,5 milhões.

O Consórcio Omnium Energy arrematou o lote 34. A oferta pelo lote foi de R$ 5,7 milhões. A subestação possui 300 MVA de potência e servirá para atendimento às cargas das regiões metropolitana de Belém e nordeste do Pará e demandará investimentos de R$ 45,6 milhões. O último lote oferecido foi o 35. Este lote foi arrematado pelo Consórcio BRDigital, BREnergia e Lig Global. O grupo ofereceu R$ 18,7 milhões. Esse lote possui uma linha de transmissão com 12Km de extensão e servirá para suprir a região metropolitana de Belém.

COMPROMISSO ASSUMIDO NO ESTADO

Em entrevista concedida ao DIÁRIO, ao lado de Helder Barbalho, o ministro Fernando Coelho Filho relembra o compromisso assumido diante da Associação Comercial do Pará. “Eu estive recentemente acompanhando o ministro Helder na cidade de Altamira e na cidade de Santarém, fui questionado pela Associação Comercial, pelos investidores e comerciantes, falando da dificuldade na qualidade no fornecimento de energia”, lembra. “Nós nos comprometemos, a pedido de Helder, a incluir novamente esse lote, que teve problema no passado, dentro da nova modalidade do leilão, que tem sido sucesso. São R$ 671 milhões de investimentos para a Região Oeste”, comemorou Fernando Filho. “O prazo para a execução é de 60 meses e a nossa expectativa é que essa obra, além de gerar emprego e renda na região, leve uma energia de melhor qualidade para, que a gente possa desenvolver toda essa região”.

O lote ao qual o ministro se refere foi arrematado pela Equatorial Energia, que terá de investir em mais de 400 quilômetros de linhas de transmissão, ligando os trechos Xingu - Altamira; Altamira - Transamazônica; Transamazônica - Tapajós e Rurópolis.

Fonte: DOL
Voltar


Tenha você também a sua rádio