Menu


BOLSA FAMÍLIA DESTINA R$ 182 MILHÕES AO PARÁ.

15 DEZ 2016
15 de Dezembro de 2016

Desde a última segunda-feira (12), 898.914 famílias em situação de extrema pobreza ou vulnerabilidade social no Pará estão recebendo os benefícios do Bolsa Família. Neste mês, o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA) está repassando ao Estado R$ 182.304.072,00 - R$ 202,80 para cada família, em média. O pagamento segue até o próximo dia 23 - prazo antecipado esse mês, para que as famílias beneficiárias possam efetuar o saque antes do Natal.

Em todo o País, a pasta está repassando R$ 2.458.172.701,00 para complementar renda de 13.569.576 famílias de baixa renda - R$ 181,15, em média. O valor repassado varia conforme o número de integrantes da família, a idade de cada um e a renda declarada no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal.

As famílias inscritas no programa estão recebendo o Bolsa Família com aumento desde julho, quando foi concedido, pelo governo federal, um reajuste de 12,5% no valor do benefício médio. Desde então, os valores máximos mensais para quem pode receber o benefício passaram de R$ 77 para R$ 85 (situação de extrema pobreza) e de R$ 154 para R$ 170 (situação de pobreza). 

IRREGULARIDADES 

No mês passado, o MDSA divulgou o resultado do maior pente-fino já realizado no programa do Bolsa Família. Na ocasião, o ministério anunciou que encontrou inconsistências em 1,1 milhão de benefícios pagos pelo governo federal. No Pará, foram 45.807 irregularidades, com o cancelamento de 15.709 mil (1,7% do total) e o bloqueio de 30.098 (3,3%).

Em todos os casos, foi constatado que a renda das famílias era superior à exigida para ingresso e permanência no programa. Para efeito de comparação, no mês de setembro, o Pará recebeu R$ 185.240.008,00 para ser distribuído entre 910.399 famílias beneficiárias - média de R$ 203,47 por família. Em outubro, caiu para 896.253 famílias e o repasse total foi de R$ 182.548.840,00 - R$ 203,68 o valor individual médio.

No geral, o Pará é o sétimo Estado com o maior número de beneficiários, atrás da Bahia (1.772.853 famílias e repasse de R$ 324.058.076,00), São Paulo (1.466.681 famílias e R$ 235.764.120,00), Pernambuco (1.096.314 famílias e R$ 196.698.714,00), Minas Gerais (1.061.912 e R$ 177.423.204,00), Ceará (1.042.087 e R$ 186.400.069,00) e Maranhão (951.942 e R$ 202.413.886,00).

Dentre os municípios do Estado, Belém é o que aparece com o maior número de famílias beneficiárias, 113.138, e repasse correspondente de R$ 18.212.666,00 - valor individual médio de R$ 160,98. Na sequência aparece Ananindeua (39.937 famílias e repasse total de R$ 6.209.637,00); Santarém (28.812 e R$ 5.173.101,00); Abaetetuba (21.976 e R$ 5.120.580,00); e Cametá (19.579 e R$ 4.553.830,00).

O pagamento é feito de forma escalonada. Portanto, para saber o dia em que o recurso estará disponível para saque, o beneficiário precisa observar o último dígito do Número de Identificação Social (NIS), impresso no seu cartão. Para cada final, há uma data correspondente por mês, que indica o primeiro dia em que a família poderá fazer a retirada do dinheiro. O valor fica disponível para saque por 90 dias.

Todo mês, o extrato de saque do beneficiário traz a data do saque do mês seguinte. Outra opção, é acessar o aplicativo do Bolsa Família, que pode ser acessado por qualquer aparelho de celular com acesso à internet (smartphones). Basta baixar gratuitamente a ferramenta no seu celular e consultar. Além disso, o aplicativo permite também saber a situação do benefício.

Desde o mês de abril, os beneficiários que já possuem uma Poupança Caixa Fácil podem receber o valor creditado diretamente em sua conta. A opção é facultativa e está disponível a todas as famílias que participam do programa de transferência de renda. Para abrir a conta é necessário procurar uma casa lotérica ou correspondente Caixa Aqui com RG e CPF. A conta dá direito a movimentar o valor do benefício com cartão de débito.

Fonte: AMAM/Comunicações

Voltar










r.

Tenha você também a sua rádio